sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

A ressaca

As épocas festivas caracterizam-se pelos excessos e a da passagem de ano é aquela onde mais se fazem sentir. Depois do exagero consumista no Natal, tempo que deve ser da família e do recolhimento mas que se tornou para muitos uma romaria aos centros comerciais, a chegada do novo ano é celebrada com total desmesura.

Como exemplo extremo das consequências de tal comportamento, veja-se o elevado número de mortos e feridos nas estradas neste período. Pessoas para quem o fim da festa é o fim da vida. Mas tal estado de embriaguez mental não é necessariamente provocado pelo álcool e a euforia atinge também os senhores que actualmente se sentam nas cadeiras do poder.

Aqueles que lá chegaram com um saco cheio de promessas, bem embrulhadas em papel de lustro para cegar com o brilho os menos atentos. Os mesmos que quando dão a palavra ficam sem ela e que exigirão mais sacrifícios aos portugueses com justificações recicladas. Porque o “interesse nacional”, que é agora o chavão partidário que tudo desculpa, assim o exige. É esta a cantiga que nos repetem há anos os que se vão alternando nos governos e que continuamos a ouvir passivamente, entorpecidos pela “conjuntura”, pela “estabilidade”, ou por outras abstracções que nos fazem pesar os braços. Depois de qualquer embriaguez vem a ressaca. O momento depressivo do arrependimento, da memória truncada ou convenientemente selectiva, acompanhado pelo mal-estar físico.

O novo ano político também vai ser de ressaca, o que implica uma recuperação muito mais difícil. Ainda por cima partilhada com os que não participaram na festa irresponsável. Preparemo-nos. Ainda assim, perante um negro cenário, cumpre-me desejar, em nome da Redacção, um próspero ano novo aos leitores e colaboradores de «O Diabo» e às suas famílias. O futuro pode ser diferente se assim o quisermos. Haja esperança e vontade.

Editorial publicado na edição desta semana de «O Diabo».

Sem comentários:

Enviar um comentário