terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Viagem ao fundo da noite

Um Amigo anda a ler Céline e conversámos sobre a “Viagem ao fim da noite”. A propósito da tradução do título, lembrei-me de uma resposta de Luiz Pacheco em entrevista:

Guilherme Pereira: Há uns anos, lembro-me que andavas a ler vários livros do Céline. Gostas?
Luiz Pacheco: Eu escrevi um texto sobre o gajo, “Lendo e Relendo Céline”, que foi publicado em Portas do Sol, a página literária do Correio do Ribatejo, e depois foi incluído na Crítica de Circunstância. O Céline era cortado, sabotado, como o Giono... mas eu escrevi aquele texto, sobre a Viagem, porque só tinha esse livro em casa. Era o único, de bolso, no original, em francês. Já tinha lido partes da tradução e fiquei muito chateado. Viagem ao Fim da Noite? O fim da noite é o dia... Devia ser: Viagem ao Fundo da Noite. Mas nesse dia, como era o único livro que tinha à mão li-o do princípio ao fim. Fiquei espantadíssimo. É um livro de arromba. O título do meu texto devia ser: “Lendo, espantado, Céline”. Recebi 20$00 pelo artigo, em selos fiscais que rebatia na papelaria. Escrevi o texto em Setúbal. O Cesariny disse-me: “Já li o teu elogio da traição”. Bardamerda!



Ainda a esse respeito, disse-lhe que o livro da colecção “Apontamentos Europa-América Explicam” sobre Céline, tradução de Maria Belo de um original de Bernard Lalande, publicado em 1996, tem como título “Viagem ao fundo da noite”...

3 comentários:

  1. Fui espiolhar como é que os nossos amigos brasileiros traduziram o título da obra:
    http://www.jornalopcao.com.br/colunas/imprensa/cinco-livros-do-escritor-frances-louis-ferdinand-celine-em-portugues
    O curioso é ver que existe uma tradução para português da tese de Céline sobre o médico húngaro Semmelweis!

    ResponderEliminar
  2. Muito bem lembrado! Já agora, existe alguma diferença entre essa edição da Ulisseia e a mais recente, de 2010?

    ResponderEliminar
  3. Viva Átrida!
    Também já tive essa curiosidade. A "Viagem" tem o mesmo título. Há uns tempos "encontrei" essa tradução do livro sobre Semmelweis, que desconhecia, numa pesquisa na Livraria Esperança, mas estava - e continua - indisponível.
    Do Céline publicado no Brasil só tenho o "Norte", publicado pela Nova Fronteira em 1985.

    João,
    Não tenho a edição de 2010, mas a tradução é a mesma, de Aníbal Fernandes, que também traduziu o "De três em pipa" e o "Vão Navios Cheios de Fantasmas...". Essa tradução da "Viagem" foi também publicada pelo Círculo de Leitores, em 1989, com uma introdução de Clara Ferreira Alves, que nunca li.

    ResponderEliminar