sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Escol


Há tempos vi um ‘cartoon’ que exemplifica bem o actual estado do sistema de ensino. A primeira imagem referia-se a um passado próximo onde, perante a má nota de um aluno, os pais exigiam satisfações ao filho pelo resultado do exame. Já na imagem seguinte, referente aos nossos dias, os pais, perante idêntica situação, dirigiam a sua indignação ao professor. É obviamente uma caricatura e por isso redutora, mas não deixa de ilustrar o que vivemos.

A massificação do ensino trouxe a tentação do nivelamento por baixo, de alunos e professores, com o consequente facilitismo generalizado e os seus desastrosos resultados.

Um bom exemplo deste estado de coisas está patente nos actuais manuais escolares, nomeadamente na sua simplificação. Vejam-se e comparem-se com os de outros tempos. Dirão alguns que desta forma se consegue chegar a mais alunos, nomeadamente aos que têm mais dificuldades. Mas é exactamente essa opção que tem baixado drasticamente o nível do ensino, prejudicando os melhores.

Na Prefação aos seus “Elementos de História de Portugal”, Alfredo Pimenta afirma que “os estudantes não são todos iguais. Oferecem-nos uma escala que vai dos melhores aos piores: dos mais inteligentes e mais ousados, até aos mais obtusos e mais lentos. Entendo que os livros devem ser feitos para os primeiros e não para os outros. Estes limitar-se-ão ao que podem, guiados pelos professores; aqueles aproveitarão tudo o que se lhes fornecer, e com isso a cultura portuguesa só terá a lucrar. Não devemos sacrificar as inteligências superiores às mediocridades inertes”.

A escola é naturalmente discriminatória. Destina-se a escolher os que se distinguem pela positiva e para tal há classificações. Sendo obrigatoriamente um local onde deve imperar uma igualdade de oportunidades – neste caso de demonstração do mérito –, não deve nunca cair no igualitarismo uniformizador.

Só pela exigência da excelência se conseguirá formar uma elite nova – um escol.

Publicado na edição desta semana de «O Diabo».

Sem comentários:

Enviar um comentário