quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Lucky Luke e a conquista do Oeste

O Velho Oeste sempre foi um tema que atraiu leitores de todas as idades. O espírito aventureiro dos desbravadores de novas paragens fez as delícias de muitos, em especial dos mais jovens. Na 9.ª Arte, o universo dos ‘cowboys’ é indissociável de Lucky Luke.


Depois do sucesso dos dois álbuns dedicados às personagens de Tintin na História, em boa hora o jornal “Le Point” e a revista “Historia” voltaram ao mesmo formato para dedicar, desta vez, um álbum a Lucky Luke, “o ‘cowboy’ que dispara mais rápido do que a própria sombra”. Um herói da banda desenhada franco-belga, que preencheu o nosso imaginário juvenil e que vendeu trezentos milhões de álbuns em todo o mundo.

Nascido em 1946 do talento de Morris, de seu nome verdadeiro Maurice De Bevere, foi com o encontro com Goscinny, em 1954, que tornou Lucky Luke na figura de referência que hoje conhecemos. Muito importante nessa alteração foi a inspiração na História da conquista do Oeste americano. Mas não se exija nas histórias de Lucky Luke uma preocupação com o rigor histórico, o mais importante é antes o código do Oeste, os cenários e os temas.

“Les Personnages de Lucky Luke… et la véritable histoire de la conquête de l’Ouest” (cartonado, 128 páginas, 10,90 euros), à venda nas bancas nacionais, trata onze álbuns: “Carris na Pradaria”, “Lucky Luke contra Joss Jamom”, “Os primos Dalton”, “Corrida para Oklahoma”, “Billythe Kid”, “Arame Farpado na Pradaria”, “Calamity Jane”, “A diligência”, “Jesse James” e “Mã Dalton”. A escolha destes volumes prende-se com o que os autores consideram momentos-chave da História da conquista do Oeste americano, da construção do caminho-de-ferro, aos famosos bandidos, à Guerra da Secessão, ou ainda às diligências e as mulheres no Oeste.

Para além da óptima concepção gráfica, é de salientar a forma inteligente, cuidada e atractiva como se conjuga a História séria com o divertimento da banda desenhada.

O álbum inclui ainda um artigo sobre Lucky Luke, considerado “uma arma de distracção maciça”, outro sobre o nosso ‘cowboy’ solitário e o seu cavalo Jolly Jumper e um mapa dos Estados Unidos da América naquele tempo. Por fim, os interessados em aprofundar os temas tratados podem recorrer às duas breves bibliografias, uma com obras sobre os momentos históricos referidos e outra sobre o mundo de Lucky Luke.

Sem comentários:

Enviar um comentário