sexta-feira, 21 de junho de 2013

Os professores e o PCP


É bem conhecido o avermelhamento do professorado a seguir ao 25 de Abril no nosso país, com as consequências que sabemos. Mas o mais estranho é este ter perdurado até aos nossos dias. Hoje, no seu editorial no semanário «Sol», António José Saraiva fala desse fenómeno. A ler: “O domínio do Ministério da Educação por parte do PCP fazia-me alguma confusão na altura [no período revolucionário que se seguiu ao 25 de Abril] – e hoje faz-me muita. Os professores, pela sua função específica, devem ser pessoas abertas, não dogmáticas, arejadas e mentalmente disponíveis. Ora, o PCP é o contrário disso: é um partido ideologicamente intolerante, nada aberto à mudança, sectário e inflexível. Não percebo como é que a maioria dos professores se tem mantido ao longo de quase 40 anos ligada a uma força política com estas características.”

3 comentários:

  1. E depois ainda têm a distinta lata de se dizerem "apolíticos", em muitos casos. E os que não são PC são BE. E ~´e essa canalha que manda e mandará no ensino, pelo menos nos tempos mais próximos. Saúde!

    ResponderEliminar
  2. Assim se vêem os tentáculos do PC...
    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Contributo para lembrar a "origem do mal":
    http://portadaloja.blogspot.co.uk/2013/06/a-via-unica-socialista-e-comunista-no.html
    http://portadaloja.blogspot.co.uk/2013/06/a-reaccao-ao-ensino-unificado-dos.html

    ResponderEliminar