sábado, 9 de fevereiro de 2013

A Veneza de Canaletto

Pude visitar, na capital francesa, uma exposição exclusivamente dedicada às obras venezianas do pintor italiano Canaletto. Esteve patente no Museu Maillol e juntou cinquenta obras, o caderno de esboços e um fac-símile da câmara escura, o instrumento óptico que auxiliava nas suas pinturas.



O Museu Maillol surgiu em 1995 por Dina Vierny, modelo do escultor francês, de origem catalã, Aristide Maillol (1861–1944). Tem uma colecção permanente com vários trabalhos do artista que lhe dá o nome, bem como de outros pintores e escultores. Organiza também várias exposições temporárias, como a dedicada a Canaletto, bem como a do universo Pixi, de Alexis Poliakoff, que exibiu as pequenas figuras de chumbo que reproduzem grande parte dos mais conhecidos heróis da banda desenhada franco-belga, do Tintin ao Astérix, passando pelos Estrumpfes.

Giovanni Antonio Canal (1697–1768), mais conhecido como Canaletto, é o mais célebre dos pintores das ‘vedute’, ou seja das vistas ou paisagens urbanas, venezianas. Desde cedo viu a sua obra reconhecida e conseguiu atingir um estatuto de celebridade considerável. Iniciou a carreira na sua cidade natal, sendo Veneza o tema mais forte da sua produção. Viveu durante um período da sua vida em Inglaterra, onde o cônsul inglês em Veneza, Joseph Smith, o apresentou a ricos clientes. Quando regressa torna-se membro da Academia Veneziana de Pintura e Escultura.

Nesta exposição foi possível ver um número bastante grande de obras, que mostram o evoluir do seu trabalho, todas dedicadas a Veneza, no seu registo de uma quase fotografia artística. Verdadeiras imortalizações de pedaços de uma cidade por quem tantos ainda se apaixonam, com um pormenor impressionante, mas sujeitas ao toque pessoal de Canaletto.

Um dos aspectos que mais nos capta a atenção nas suas pinturas é a luz. Aproveitando a deixa, posso dizer que esta exposição é mais uma luz na “cidade da luz”, que nos permite ver todo o percurso do mestre do ‘vedutismo’ através do seu excepcional legado.

Sem comentários:

Enviar um comentário