sábado, 3 de novembro de 2012

Dizer “as verdades”

Como qualquer sector, a Imprensa também não escapa à crise. Disso são prova as recentes notícias sobre cortes, despedimentos, greves, etc. em vários meios de comunicação social. Ora, é exactamente em períodos como aquele que atravessamos actualmente que a informação séria e livre é mais necessária. Nunca é demais lembrar que a ignorância é uma das piores armas que pode ser usada contra nós.

O panorama da Imprensa nacional não é muito animador. Tendo em conta a população portuguesa, há poucos jornais e as respectivas vendas são cada vez mais baixas. Para além disso, a maior parte dos órgãos depende directamente de grandes interesses, através de grupos económicos. Apesar de várias excepções e fugindo a generalizações abusivas, há que reconhecer que tal facto condiciona naturalmente os principais jornais em Portugal. Em tempos de aperto financeiro, a tendência é para que esse condicionamento se agrave.

No caso de “O Diabo”, a que chamamos “jornal independente” porque o é de facto, a escolha sempre foi clara. Pautamos o nosso trabalho pela seriedade e pela liberdade. Só assim consideramos que o jornalismo e a actuação da Imprensa enquanto IV poder fazem sentido na nossa sociedade. É talvez por esta postura ser reconhecida que a forma mais habitual com que os nossos leitores descrevem “O Diabo” é dizendo que se trata de “um jornal que diz as verdades”. Este é o melhor elogio que nos podem fazer. Em tempos como estes, uma das melhores coisas que existem no nosso país é haver ainda jornais que escapem ao conformismo e se neguem à submissão. É uma escolha obviamente difícil, a da recusa do conforto. Mas o resultado é uma recompensa que pura e simplesmente não tem preço.

Há dias, um antigo jornalista folheou o nosso jornal à minha frente e comentou: “Que saudades de escrever livremente...” O meu primeiro pensamento foi o da importância da existência de jornais verdadeiramente livres, não alinhados e interventivos. Prontos a denunciar os que abusam do poder e prejudicam a nossa Pátria.

Que nunca tenhamos saudades de tempos em que existiam tais jornais, simplesmente porque não podem acabar os que, como nós, “dizem as verdades”, custe o que custar e doa a quem doer.

Editorial da edição desta semana de «O Diabo».

2 comentários:

  1. Caríssimo, O Diabo é o semanário da metapolítica!
    Abraço apertado.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar