sábado, 9 de junho de 2012

Moralização

Todas estas alterações no Estatuto do Aluno, que prometem polémica, são um passo necessário para a moralização do ensino público em Portugal. Há muito que se criou a ideia errada que as escolas são depósitos de crianças e jovens e que os pais já não são responsáveis pela educação dos seus filhos, nem pelas suas acções nos estabelecimentos escolares.

Urge acabar com tal sentimento de impunidade. Há que aproximar os pais da escola e aproveitar o seu valioso contributo na educação dos filhos fora de casa.

O respeito aos professores não se pode desligar do respeito aos pais. As relações de hierarquia na transmissão dos conhecimentos são tão importantes como imemoriais.

Por outro lado, o facilitismo a que nos (mal) habituaram governos anteriores, ansiosos por melhorar estatísticas para mostrar lá fora, tem que terminar. A cultura da escola deve ser a do mérito e da disciplina – a busca da excelência.

Esta moralização interessa a todos. São os nossos filhos, a nossa juventude, o nosso futuro que estão em causa. Trata-se do futuro de Portugal.

1 comentário:

  1. Leia-se:

    http://novacasaportuguesa.blogspot.pt/2011/08/morigerar.html

    ResponderEliminar