quinta-feira, 5 de abril de 2012

Alcateias

Os apreciadores dos programas televisivos sobre sobrevivência extrema com certeza vão gostar de analisar este filme, em busca de erros e de falhas na forma como se consegue passar dias num ambiente gelado e adverso.

Um pequeno grupo de trabalhadores de uma refinaria no norte do Alasca sobrevive a um acidente aéreo. Por entre os destroços e os cadáveres, começam a organizar-se e reúnem-se à volta de John Ottway (Liam Neeson), um caçador contratado pela empresa petrolífera para matar os lobos selvagens. Para agravar a situação, o grupo começa a ser atacado por uma alcateia de lobos que os persegue quando estes se põem em fuga. É um duelo entre alcateias, uma de humanos, que tenta defender-se, outra de lobos que protege até ao fim o seu território, recusando os intrusos. Ambas têm os seus machos-alfa e as suas tácticas e cedo se percebe que esta luta só terminará com a morte.

As filmagens não foram feitas no Alasca, mas na província canadiana da Colúmbia Britânica. Ainda assim, as condições atmosféricas, mesmo as tempestades de neve, e as terras geladas são verdadeiras e sem recurso a imagens geradas por computador, por isso, a rodagem demorou apenas quarenta dias. Pelo contrário, a contrastar com este realismo que se nota e enriquece o filme, os lobos parecem saídos de uma série televisiva para adolescentes sobre lobisomens.
O facto de os lobos serem aqui retratados como predadores agressivos para homem, provocou o protesto e o boicote do filme por parte de várias organizações ecologistas. De facto, segundo especialistas em comportamento animal, a situação retratada seria praticamente impossível de acontecer na realidade.

Por fim, há uma tentativa de reflexão filosófica sobre a vida, a morte e o divino. Parece um esforço de querer dar ao filme alguma profundidade, mas simplesmente não consegue. [publicado na edição desta semana de «O Diabo»]

Sem comentários:

Enviar um comentário