quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Da tradução

O Miguel lembrou o adágio "traduttore, traditore" queixando-se da actual incompetência e desleixo nas traduções. Tem toda a razão.

A esse respeito, recordo-me sempre do que me ensinou uma velha professora de tradução. Dizia ela que há três coisas obrigatórias para fazer um bom trabalho: saber a língua para a qual se traduz, saber acerca do assunto sobre o qual se traduz e, finalmente, saber a língua da qual de traduz. Frisava ela que era essencial esta ordem de importâncias e que, infelizmente, poucas vezes era respeitada. Resultado final: disparate.

1 comentário:

  1. Tens toda a razão, Duarte. O mais grave é que, embora o trabalho de tradução esteja actualmente bastante facilitado pela internet e outras ferramentas electrónicas, o desastre é casa vez mais comum.

    ResponderEliminar