quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Entrevista com António Marques Bessa

A propósito da reportagem que fiz para «O Diabo» sobre o lançamento da revista «Finis Mundi», entrevistei os dois apresentadores. Aqui fica a que fiz com António Marques Bessa.


António Marques Bessa


Com a sociedade a alhear-se e a consumir, cada vez mais, informação e conteúdos imediatos, faz sentido uma revista como a “Finis Mundi”?
Hoje existe um espaço cultural para o pensamento alternativo, por oposição à globalização. Os enraizados têm o direito a pensar.

Não há o risco de ser algo demasiado intelectual, uma vez que são artigos de pensamento?
Não deve cair no intelectualismo ou academismo. Deve ser aberta, de forma a ser entendida por um número maior de leitores.

Mas nem por isso é para o povo?
O povo está estupidificado. Não se pode contar com ele. Só pode atingir intelectuais. Continuam válidos os ensinamentos de Gramsci e o que se chamou o “gramscianismo de Direita”, levado a cabo por Benoist e a Nova Direita.

Então, o movimento parte de cima?
De cima para baixo. Das elites. É sempre assim, porque o povo é bovino.
[publicado na última edição de «O Diabo»]

3 comentários:

  1. Se o povo é bovino ou não eu não sei. Mas que está adormecido está!

    ResponderEliminar
  2. A História e as mudanças são levadas a cabo pelas minorias activas. Chamar o povo de bovino é simpatia do Prof. Bessa, eu cá chamava ao nosso povo castrado outras coisas mais carnudas :)

    ResponderEliminar
  3. ..o bovino rumina, logo é uma boa descrição do povo português.. atentar apenas que o estado é sempre imagem do povo, logo está certo em escolher quem o governa, logo não sou do povo..

    ResponderEliminar