terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

“Imigração: um plano para alterar a alma de uma nação”


Este é o título do artigo da colunista do «Telegraph», Janet Daley, que afirma categoricamente que “a política de imigração maciça do governo tinha a intenção de remodelar o tecido social da nação”. Ao revelar os verdadeiros objectivos da política de imigração do Labour, diz-nos que as “portas abertas” não serviam apenas para acolher trabalhadores para a crescente economia ou refugiados de regimes repressivos. Este era um projecto de alteração profunda da população autóctone. O pior é que a situação não se resume ao Reino Unido, ao qual se cinge o artigo, mas a toda a Europa. Um texto para ler e pensar.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. ---> Não há tempo a perder com os predadores insaciáveis (um exemplo: os islâmicos) que estão numa corrida demográfica pelo controlo de novos territórios...
    ---> Não há tempo a perder com os bandalhos (a maioria dos europeus) que não se preocupam em constituir uma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher), e que se preocupam é em infiltrar-se em qualquer lado (tem de existir suficiente população activa... logo, há que procurar população activa não europeia)...
    ---> Não há tempo a perder com os idiotas úteis à espera do caos (exemplo: PNR's e afins) que se esquecem que - tal como já aconteceu 'n' vezes ao longo da História - quem irá colocar ordem no caos serão mercenários ao serviço do poderio económico [Estados falidos e Identidades dissolvidas são as condições ideais para um neo-feudalismo -> agora erguido/dirigido pelas poderosas multinacionais...]


    CONCLUSÃO ÓBVIA: antes que seja tarde demais, há que mobilizar, para o SEPARATISMO-50-50, aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência...

    ResponderEliminar