quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Parabéns ao «Público»

O jornal «Público» destaca hoje uma questão bastante polémica que muitos querem considerar terminada — o (des)acordo ortográfico. Ouviu defensores e críticos e fala das dúvidas que a introdução do acordo está a gerar e do grande risco de confusão que este pode gerar. Traça os antecedentes da questão e apresenta as diferentes posições dos países de Língua portuguesa, bem como dos autores, editores e imprensa.

Mas o «Público» está de parabéns sobretudo pela posição de rejeição do acordo assumida no editorial. Desmonta o ridículo argumento dos que o consideram essencial para a afirmação do português como língua universal, com a óbvia comparação com o inglês, que é verdadeiramente universal hoje, sem qualquer necessidade de um acordo planetário, e conclui com "uma última e fatal fragilidade neste acordo - as regras definidas são facultativas. Para que serve então um acordo global se, afinal, é indiferente escrevermos António ou Antônio?" Para nada!

Um desejo para 2010: que a imprensa portuguesa siga o exemplo do «Público» no que respeita ao (des)acordo ortográfico.

3 comentários:

  1. Saúda-se a corajosa decisão da equipa editorial do Público. Veremos se são a excepção ou a regra. Jornais como o desportivo Record já aderiram ao (des)acordo ortográfico há algum tempo.

    ResponderEliminar
  2. Pois, mas o jornal Record não vende por causa da qualidade ou conteúdo dos seus textos.

    Já agora, pronuncia-se o "d" em Record? Uns pronunciam, outros não, será que devia se escrever "Recor" ou "Record"? Ou as duas formas estão correctas?

    Já agora, uma outra nota: Para ler as notícias na página do Público agora é preciso ser-se assinante. Ou seja, as pessoas vão deixar de ler as notícias do Público!

    ResponderEliminar
  3. "Record" é uma palavra inglesa que passou para a nossa língua como "recorde". Deve, por isso, ler-se o "d". Lembra-me o caso de Garrett, no qual há gente que insiste em pronunciar "garré"...

    Quanto à grafia, acho que o jornal mantém a forma inglesa por tradição.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar