quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Até a Suíça...

Em conversa, um amigo meu louvava o espírito de resistência dos suíços, a propósito do referendo sobre os minaretes. No meu pessimismo (não confundir com derrotismo) lembrei-me da conclusão do premonitório Le Camp des Saints. Neste livro de Raspail, apesar da sua resistência, até a Suíça acabou por cair...

«(...) também a Suíça estava minada no interior. O animal tinha aí escavado todas as suas sapas, mas com tantas precauções que levaram mais tempo a ruir. E a Suíça, em vários sectores, esqueceu-se de pensar demasiado. A sua queda foi mais decente. O famoso escudo da neutralidade impressionava ainda vagamente e puseram-se luvas brancas para fazer soar o hallali. Do interior e do exterior, as pressões tornaram-se progressivamente mais fortes. O caso de Munique. Intangível. A Suíça teve de negociar. Não podia escapar a isso. Hoje assinou.
Às zero horas, esta noite, as suas fronteiras serão abertas. Há vários dias já que elas não estavam guardadas. Então eu repito a mim mesmo lentamente, para me penetrar bem, esta frase melancólica dum velho príncipe Bibesco: "A queda de Constantinopla foi uma infelicidade pessoal que nos aconteceu a semana passada".»

Jean Raspail
Mortos: duzentos milhões, todos nós. Europa-América, 1977.

Sem comentários:

Enviar um comentário