sexta-feira, 10 de outubro de 2008

A difícil defesa da liberdade

Ainda no que respeita ao caso escandaloso da censura ilegítima e ilegal ao cartaz do PNR exercida pelo vereador Sá Fernandes — no qual, volto a dizê-lo, o que mais me choca é a apatia generalizada perante tal abuso — é com felicidade que leio a opinião de José Pacheco Pereira publicada na revista «Sábado» e também disponível no seu blog. Pacheco Pereira é um dos raros casos em Portugal de um opinion maker que lê, se preocupa em saber e, apesar de filiação partidária, não adopta um discurso de pronto-a-pensar. Nem sempre estou de acordo com ele, obviamente, mas é claro que gosto bastante quando o vejo tomar posições que outros não tomam por ignorância ou por receio politicamente correcto. Neste caso flagrante, posições como a dele deviam ser a regra, nunca a excepção. Não sendo infelizmente assim, aqui fica:

NÃO SABIA QUE ERA PROIBIDO EM DEMOCRACIA SER CONTRA A IMIGRAÇÃO
O vereador Sá Fernandes à revelia das leis e da liberdade, mandou arrancar um cartaz do PNR contra a imigração. Nada tenho com as ideias e as práticas do PNR, nem precisava de o dizer a não ser porque este mundo está tão envenenado que tem que se estar sempre a repetir o óbvio, mas desconhecia que era proibido em democracia pronunciar-se contra a imigração. O problema é nós nos esquecemos que a liberdade dos outros é também para dizer aquilo que nós detestamos e não concordamos. A liberdade é assim, não é apenas aquilo que o vereador Sá Fernandes entende ser politicamente correcto dizer ou aquilo que ele quer censurar. Felizmente.
JPP

1 comentário:

  1. E a ContraInformação também não perdoou: http://www.youtube.com/watch?v=O7MoGvS09z0

    ResponderEliminar