quinta-feira, 10 de abril de 2008

“Este país não é para velhos”

Vi recentemente o aclamado filme dos irmãos Coen “Este país não é para velhos” com grande satisfação, já que as minhas expectativas estavam bem altas depois de tantas críticas favoráveis e prémios internacionais, incluindo óscares.

Passado nos anos 80 no Texas, conta-nos a história de um redneck que encontra uma mala recheada notas no meio do deserto, num local onde houve um tiroteio resultante de um desaguisado no tráfico de droga. O que parece um golpe de sorte para Llewelyn Moss, que vive num trailer park com a mulher, transforma-se numa perseguição que irá jorrar muito sangue, depois de um erro reconhecido a priori pelo próprio.

Num filme intenso, mas nunca acelerado, os realizadores voltam a explorar como ninguém os pormenores do interior da América: os hábitos, os ritmos, os nomes, o sotaque, os erros gramaticais, etc. Tudo características que reconhecemos num mundo que vemos em mudança. A violência desmedida e a ânsia do dinheiro, num país onde sempre tudo foi duro, atingem tais proporções que entram na normalidade.

Este é um enredo onde tudo se cruza, mas onde aqueles que esperamos nunca se encontram. As sequências pré-formatadas de Hollywood não se aplicam aqui. O herói clássico está à beira da reforma e nada pode, o herói ocasional não vence triunfante e o vilão principal, de uma frieza aterradora e ausência de sentimentos, é o único fiel a princípios em quem mais ninguém se revê.

Com uma óptima história, excelente passagem à tela e excepcionais representações, este é um must see, de que apenas posso dizer que consegue superar “Fargo”.

4 comentários:

  1. Excelente análise! Um filme verdadeiramente anti-convencional com uma mística muito especial. Sem dúvidas, o filme de 2007.

    Já agora, pedia-te que analisasses o "There Will be Blood", o concorrente directo da fita dos Coen nos óscares, um quase "one man show" do Day Lewis.

    Por fim, exigia-se uma referência mais alargada ao "bad bad motherfucker" desta fita, uma personagem já se tornou um clássico.

    ResponderEliminar
  2. Raios, vinha pedir também uma review também do "There Will be Blood"...

    ResponderEliminar
  3. Bom, agora estou mesmo curioso acerca desse filme. Quando o vir, está prometido um comentário.

    Miguel, sobre o Chigurh digo apenas que ninguém se arrisca a comentar aquele penteado inenarrável... ;)

    ResponderEliminar
  4. Já agora, mérito também para o livro que serviu de base ao argumento e que é uma maravilha, tal como tudo (ou quase) o que escreve o sr.McCarthy.

    ResponderEliminar