segunda-feira, 26 de junho de 2006

O ciclo da vida

Depois da bonança, a tempestade… Foi o que aconteceu recentemente, numa inversão do provérbio popular. Depois de um nascimento que tanta felicidade trouxe à família, veio uma morte a mostrar, na sua implacabilidade e simplicidade, que o ciclo da vida se cumpre sempre, por vezes com tão curto intervalo que intensifica o sentimento de revolta perante a impotência e as interrogações que nos atemorizam. Da morte sabemos apenas que é uma certeza, mas apesar de a esperarmos nunca estamos à espera.

Guardo maravilhosas recordações de quem viveu para os outros, em especial para a família, para na recta final lutar e vencer quando tudo parecia perdido. Partiu, marcando-nos para sempre. O que o tempo pode atenuar, não poderá nunca apagar. Descansa agora em paz minha amiga, que a imortalidade conheceste-a felizmente em vida, na tua descendência.