terça-feira, 18 de julho de 2006

Terroristas islamitas em Espanha

Noticiou ontem o «Diário de Notícias» que a “actividade de grupos terroristas islamitas aumenta em Espanha”. Uma realidade preocupante que presente no país vizinho, tal como em muitos outros países europeus. Não se trata de um mero caso de polícia, como certos sectores politicamente correctos nos querem fazer crer. É uma das consequências da imigração desregrada e de uma atitude de subserviência em relação à presença islâmica na Europa, que apenas os crentes do mito da integração não vêem… porque não querem ver.

12 comentários:

  1. Se fossem só os islamistas, estávamos todos muito bem.

    ResponderEliminar
  2. "Se fossem só os islamistas, estávamos todos muito bem."

    "Estavamos todos muito bem!!!!!!!!!!!!!"

    Deve estar a brincar com coisas serias, a nao ser que goste de levantar-se ao som de uns grunhos histericos e de por-se de rabo ao vento, virado para Meca, arranhando vocalmente o arabe!

    Colaboracionistas?

    Nao, obrigado!

    Miguel Angelo Jardim

    ResponderEliminar
  3. Pior é a praga de kizomba que se ouve aos berros do carro do bimbo parado no semáforo!

    ResponderEliminar
  4. Cara Vera, nao e pior, e igual...

    A nao ser que queiras andar como um "abat-jour"ambulante....
    Olha que faz muito calor e depois nao podes nem sequer experimentar uma fresca imperialzita...
    Pensa bem...

    ResponderEliminar
  5. Tenho uma colega árabe, e eles estão ed tal forma integrados que quse que já festejam o natal. O véu está associado a posições mais conservadoras. Em Portual nunca vi inguém com véu, que me lembre. Desde que não me chateiem, vistam o que quiserem. Só não sou obrigada a aturar barulho nem hábitos deles. Acho que nós nem nos podemos queixar mt de árabes. Dede que rezem só nas mesquitas ou em locais privados.. Agora em Espanha é que é chato, quando se vai no mato à noite e se tropeça num árabe de rabo pro ar:P
    DEsde que guardemàs práticas lá para eles e não incomodem ninguém....

    ResponderEliminar
  6. Ó Miguel, então tu, um rapaz decente com boa formação e chamas "colaboracionista" ao Branco só por ter feito aquele pequeno comentário!?
    Meu caro amigo, nós os que defendemos o direito que a cada Povo assiste em impedir a destruição da sua Identidade, temos de saber abordar com calma e explicar às pessoas que estão fora ( por desconhecimento), dos nossos ideais, que muitas vezes aquilo que parece não é e vice-versa.
    O problema não está em si no Povo Árabe ou noutro qualquer, está sim, muito na ortodoxia religiosa que certos povos por uma questão de tradição e educação seguem. Ora isso proporciona a que, haja lugar a um aproveitamento político e dessa forma pode-se em última análise utilizar esse fundamentalismo para levar a cabo actos terroristas tal como se tem observado por esse Mundo fora.
    É evidente que, certas religiões e não vou aqui especificar quais, mas constituem uma boa percentagem das crenças, ao serem tão ortodoxas criam nos seus seguidores a ideia de que só eles são detentores da "Verdade", considerando todos os outros "infiéis" e não merecedores de qualquer perdão ou até direito à vida, acabando por dar origem ao aparecimento de fanáticos que ao ficarem alheios à realidade, facilmente são manobrados para fins que nada tem de religiosos.
    O facto da Vera referir que tem uma colega árabe que até segue tradições ocidentais como o Natal, revela que as pessoas aparentemente até parecem estar "integradas", resta é saber se ainda estão "ligadas" ao cordão umbilical de alguma religião fundamentalista, pois ao que se saiba, os ditos "terroristas" não andam com um letreiro na testa.
    Eu contínuo a defender que "cada macaco no seu galho" e que, se estamos numa tradicionalmente e históricamente católica, não deveriamos permitir que outras religiões estranhas e estrangeiras a esta zona sejam muito difundidas aliás, como muitos dos países originários dessas religiões fazem.
    Poderá não ser muito "eucuménico", mas, nunca se esqueçam que a tolerância é a porta aberta da intolerância.

    ResponderEliminar
  7. Exactamente!!! Cada macaco no seu galho! Estamos num país maioritariamente católico, apesar de hoje em dia achar que são cada menos os católicoseos praticantes.
    Geralmente, são os menos "cultos" que se deixammanipular pelas ideologias religiosas que condenam os "infieis", não veêm o outro lado da moeda.. Se assim fosse, de que vale ter religião?Segunda as teorias de cada uma vamos sempre para ao inferno, e certamente há mais de 2 religiões a afirmar que os infieis vão para o inferno...Será que eles nunca pensaram nisso?
    Por mim eles podem ser árabes, podem ser macacos, podem ser tudo, mas lá no sítio deles, não é imporem-se no nosso. Se nos desprezam tanto oprque não nos deixam "arder no mármore do inferno"? Porque tentam propagar a religião, convertendo-nos e supostamente "salvando-nos" se nos odeiam? Não devem ter mts aulas de filosofia no país deles.

    ResponderEliminar
  8. «Geralmente, são os menos "cultos" que se deixammanipular pelas ideologias religiosas que condenam os "infieis"»

    E assim ficamos a saber que não existem médicos, professores, cientistas, engenheiros, etc., católicos.

    NC

    ResponderEliminar
  9. Cara Vera, afinal nao estamos tao longe no que pensamos e defendemos...

    Amigo Terras Frias (creio que me conheces, nao e assim?)a questao religiosa e bastante complexa para se poder discutir aqui, neste palco de debate, mas em substancia estou de acordo consigo, o problema e que as religioes monoteistas quando identificadas com o poder, usurpando a este o discurso e a ideologia acabam inevitavelmente por descambar no totalitarismo. Parece que o cristianismo (ainda bem) aprendeu a licao. Outras (religioes) nao!

    O NC tem razao no seu comentario, o fanatismo religioso, quer na versao integrista, fundamentalista, ou radical, nao significa obrigatoriamente incultura, ou falta de instrucao. Bem pelo contrario! O que o torna ainda mais perigoso...

    Cumprimentos

    Ps/ Sou Cristao.

    ResponderEliminar
  10. Obviamente que há médicos, cientistas, etc. católicos... mas ser religioso não implica ser fanático. Além do mais, tenho dúvidas de que o próprio Bin Laden acredita na propaganda que espalha, quilo é mais uma maneira de criar ódio entre os árabes para com o Ocidente. Qualquer intelectual, que como pessoa culta conhece o mundo, sabe que as coisas não são bem como os extremistas mais instruídos dizem. E os cultos que aderem a essas ideias é mais por interesse próprio..senão, como ia o povo analfabeto aderir às causas deles?

    ResponderEliminar
  11. Cara Vera: um conselho, sem nenhum tipo de ironia, leia um pouco mais sobre o Islao, olhe que vai ter surpresas...

    Cumprimentos

    Miguel Angelo

    ResponderEliminar
  12. Quem escreve esses livros...?
    E para mais, há muita cultura que não se aprende na escola, por isso o ter estudados nem sempre implica coerência moral. Se assim fosse não havia cientistas a desenvolver armas para máfias e grupos terroristas.

    ResponderEliminar