segunda-feira, 24 de abril de 2006

“Os falhanços da sociedade multirracial”

Este não é o título de um artigo de uma publicação “racista” ou “xenófoba”, mas do insuspeito «Courrier Internacional», que o retirou de um jornal malaio. Refere-se ao caso da Malásia, na qual têm sido feitos diversos esforços e tomadas várias medidas para que a sua sociedade multirracial viva em harmonia e seja um exemplo para o resto do mundo. Apesar disso, nesta população de 25 milhões de habitantes, dos quais 60% são malaios, 26% chineses e 8% indianos, o racismo está implantado na sociedade, como o demonstra um inquérito realizado recentemente. Um investigador, citado na notícia, diz que “os critérios étnicos estão presentes a todos os níveis da vida pública”. Um advogado, líder de um dos quatro partidos multi-étnicos locais e defensor da proibição de partidos fundados com base na origem étnica, explica que “as comunidades vivem em paz, mas cada uma no seu canto. Temos escolas separadas, amigos separados, vidas separadas.” Vemos, assim, que a aparente situação pacífica se deve a uma espécie de apartheid de origem popular, não institucional, apesar de todos os esforços governamentais em contrário.

Lembro-me de Guillaume Faye, quando afirma que as sociedades multirraciais são, na realidade, sociedades multirracistas. E a Malásia é, como podemos observar, um caso onde isso acontece claramente. Talvez esta situação seja mais falada que outras e motive títulos de jornal como este, por um dos grupos étnicos em causa não ser de origem europeia. Porque, nesse caso, os intelectuais do politicamente correcto já tinham um pronto-a-culpar.

O mais espantoso é que se continue a insistir na aplição à Europa desta perigosa receita, que tão maus resultados tem dado. Que os nossos adversários e inimigos nos queiram impingir a utópica sociedade multirracial e multicultural, com o intuito de destruir o nosso povo e a nossa civilização, ainda entendo, pois o seu objectivo é o nosso enfraquecimento e, consequentemente, o nosso fim. Agora que nós — europeus — aceitemos passivamente a nossa destruição, como cordeiros no matadouro, revolta-me!

3 comentários:

  1. Nem mais,só espero é que o multiculturalismo seja expulso de Portugal

    abraços

    ResponderEliminar
  2. ///

    CONTRA FACTOS NÃO HÁ ARGUMENTOS:

    ---> A Comunicação Social europeia propagandeia aos 'sete ventos' que a imigração é necessária para resolver o Problema Demográfico Europeu... e, assim sendo,... a imigração vai assegurar a Sustentabilidade do Sistema de Segurança Social...

    ---> Ora, qualquer Povo do Planeta... com UM MÍNIMO de 'coluna vertebral'... JAMAIS aceitaria que viessem outros de fora... para resolver o Problema Demográfico... ou para assegurar o pagamento das Pensões de Reforma......

    ---> A realidade 'nua e crua' é esta: a Europa está sob o domínio de um MONTE DE BANDALHOS ( vulgo Parasita Branco -> a Maioria do europeus ) que não estão preocupados com a SUSTENTABILIDADE DO SISTEMA... pois... pretendem andar no Planeta a CURTIR À CUSTA DOS OUTROS...



    ANEXO:

    --- Já não há pachorra para andar a aturar o Maior MONTE DE BANDALHOS da História da Humanidade!!!...
    --- O Caminho a seguir... é... Reivindicar o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo!!!
    DIVISÃO--50--50


    ///

    ResponderEliminar