terça-feira, 11 de abril de 2006

O mau jornalismo habitual

Na blogosfera são frequentes as críticas ao mau jornalismo que já se tornou habitual no nosso país. Da “esquerda” à “direita”, das instituições aos particulares, dos mais aos menos conhecidos, you name it… Tenho lido casos onde o que vem a público chega a ser o oposto daquilo que se passou. Lembro-me, por exemplo, de recentemente Pacheco Pereira, por altura do congresso do PSD, se queixar da deturpação das suas palavras na imprensa.

Um caso no último fim-de-semana envolve a chamada “extrema-direita”, que a imprensa tanto gosta de retratar como a “fonte de todos os males”. Para “apicantar” a notícia sobre a deslocação à Alemanha de polícias portugueses por ocasião do Mundial de Futebol, muitos media acrescentaram que o “perigo” estava em 15 membros da FN que vão estar na mesma altura no país para outro evento. Mais, no canal de Balsemão, as imagens escolhidas para ilustrar esta notícia temperada foram as da homenagem aos portugueses assassinados na África do Sul, organizada pelo PNR e pela FN e que decorreu ordeiramente, como é hábito, sem quaisquer incidentes.

Nesta crescente tabloidização dos media, o estereótipo do “papão da extrema-direita” é sempre uma aposta ganha. E assim se desrespeitam o público, a profissão, as organizações difamadas e, neste caso, até os nossos compatriotas mortos no violento pós-Apartheid.

2 comentários:

  1. Por estas e outras, já o Nosso Saudoso Rodrigo chamava «'visconde' de Balse'pé'» a essa rasteira ciatura.

    ResponderEliminar