quinta-feira, 6 de abril de 2006

Não há duas sem três

Já nos fez uma, para depois fazer outra. Ficamos à espera...

7 comentários:

  1. ...E ainda estamos à espera de uma explicação...

    ResponderEliminar
  2. Desta vez, vão levar um valente puxão de orelhas!
    Por onde andarão estes jovens?!

    ResponderEliminar
  3. a q se referirão estes senhores? hummm...

    então não sabem q um blog é 'espaço virtualmente público'?

    eu arriscaria uma explicação muito prosaica: é o q dá ter um blog!

    billabong outros jovens e insubmissos, uni-vos!"(...) contra os canhões, marchar, marchar!"

    ResponderEliminar
  4. É verdade mms, reconheço que este post é para "consumo interno".

    De qualquer maneira, aqui fica uma breve explicação, já que a intenção é trazer um amigo de volta à blogosfera e toda a ajuda é pouca.

    Refiro-me ao João Viriato, jovem autor do blog-revelação "Porta-Bandeira", que terminou quando completou um ano de existência. Depois, enveredou num projecto a dois, com o Nuno Portugal, no muito recomendavel "1987", que desapareceu recentemente sem deixar rasto.

    A brincar, a brincar, posso dizer que este meu apelo é como aqueles anúncios que davam há uns anitos na RTP: "Desapareceu de casa de seus pais..." :)))

    João, volta! Estás perdoado. ;)

    ResponderEliminar
  5. Agora já estou muito mais esclarecida. Obrigada. Mas serão este género de apelos os mais eficazes para quem quer trazer de volta um amigo à blogoesfera?

    E, já agora, seria possível variar o tema musical? Nada a apontar a Massimo M. É só uma sugestão. Há que trabalhar para as audiências!

    ResponderEliminar
  6. Cara mms,
    Foi transmissão de pensamento!
    Não foi a primeira vez, ando eu a pensar que está na altura de mudar a música e alguém me lembra disso...
    Quanto às audiências, não me parece que sejam as minhas preferências musicais que as fazem subir. Quem sabe?

    ResponderEliminar
  7. Não são as preferências musicais, mas elas também contam. No meu caso, são mais as ideias - muitas vezes diametralmente opostas às minhas - que me causam alguma perplexidade. E, inusitadamente, curiosidade.

    Às vezes não sei se lhe agradeça (como no caso de Jean Mabirre) ou se lhe dê - como diria nonas - um valente puxão de orelhas (nas questões que se relacionam com a imigração). A seu tempo. Por enquanto, prefiro ficar na bancada.

    ResponderEliminar