sexta-feira, 14 de abril de 2006

já tão próximo o fim...

Já tão próximo o fim e tão absurdo
Mas não não é possível
— qualquer coisa há-de vir depois de tudo
súbita imprevisível

Nada estará perdido enquanto houver
em nós alguma fé
Mesmo que só a morte nos espere
— morreremos de pé

José Manuel
in «Tempo Presente» n.º 22 (1961).

Sem comentários:

Enviar um comentário