quinta-feira, 30 de março de 2006

Terroristas islâmicos em Portugal

A notícia que faz a primeira página da edição de hoje do jornal «Correio da Manhã», apesar de não ser inesperada, vem alertar muita gente que continua convencida (ou a tentar convencer-se) que o terrorismo islâmico não nos diz respeito e que se “estivermos quietinhos” lhe seremos imunes, que esta é uma ameaça presente e comum a toda a Europa.

Baseando-se no Relatório Anual de Segurança Interna referente ao ano passado, elaborado pelo SIS, que afirma que as “redes jihadistas transnacionais representam hoje uma ameaça para Portugal”, o jornal diz que no nosso país “continuam a existir, e aumentar, estruturas de apoio logístico e financeiro a grupos extremistas”. Percebe-se, através das informações hoje publicadas, que Portugal tem funcionado como uma base de recuo e financiamento, onde as “estruturas de apoio logístico dedicam-se simultaneamente — como forma de conseguir fundos — a outras actividades criminosas como o tráfico de droga, roubo e furto de documentos, cartões de crédito e telemóveis, bem como auxílio à imigração ilegal”. Diga-se, de passagem, que todas estas redes terroristas agradecem, certamente, as alterações à lei da nacionalidade, em fase de promulgação, e à lei de imigração, em preparação.

9 comentários:

  1. agora caro amigo,diga lá se com apoiou ou não à guerra do iraque e afeganistão estariamos livres desse perigo?é claro que não.se ficarmos isolados a nível internacional saindo da nato,estamos condenados a não fazer nada caso soframos um ataque.é sempre bom lembrar o nosso afonso henriques que lutou para expulsar os muçulmanos de Portugal.Vamos lá ver se não temos que fazer o mesmo.

    ResponderEliminar
  2. «se ficarmos isolados a nível internacional saindo da nato,estamos condenados a não fazer nada caso soframos um ataque.»

    Que comentário estúpido... Você ainda não percebeu que este terrorismo não tem nada a ver com Estados?! Fronteiras seguras é a única coisa que pode evitar um futuro ataque e não bombas.

    ResponderEliminar
  3. Será que a via verde para entrega de "armas ilegais"(!) também inclui terroristas?
    Ehehehe!
    Pelo sim pelo não é melhor não as entregar...todas!
    É um fartote.

    Deixa-me tentar aqui uma coisa a ver se consigo

    Assinado: Aquele que sente estar a ser governado por traidores e que acha que os primeiros tiros de justiça devem ser dirigidos à cabeça dos que abriram as portas e deixaram entrar o inimigo.

    ResponderEliminar
  4. Fechar fronteiras não implica que não entrem ilegais como é obvio,basta ver o canadá ou os EUA que mesmo com fronteiras fechadas,eles entram na mesma.Ou será que não existe imigrantes ilegais nos EUA e que são muçulmanos?os terroristas estão em todo o lado,embora as fronteiras ajudem não resolvem o problema por si só!!

    ResponderEliminar
  5. «Fechar fronteiras não implica que não entrem ilegais como é obvio,basta ver o canadá ou os EUA que mesmo com fronteiras fechadas,eles entram na mesma.»
    O Pantera deve ter um problema com os conceitos... se entram imigrantes ilegais nesses países é porque as fronteiras não estão devidamente controladas!

    «os terroristas estão em todo o lado,embora as fronteiras ajudem não resolvem o problema por si só!!»
    Então explique-me o que é que resolve. A guerra no Iraque ou a nossa pertença à NATO certamente que não impediram os atentados de Londres ou Madrid...

    ResponderEliminar
  6. É impossível controlar todas as fronteiras,os imigrantes arranjarão sempre modos de entrar,os eua ainda a pouco falavam disso.Como controlam tantos kilometros de terra?Aqui em Portugal é a mesma coisa,não é possível controlar todas as fronteiras,basta ver por exemplo as fronteiras maritimas de espanha e marrocos.Mesmo com a melhor tecnologia,os imigrantes entram sempre.

    A nato pode permitir a Portugal retaliar contra alvos terroristas em todo o mundo o que sozinhos não conseguimos,é tão simples quanto isso,além disso os ataques em Londres foram feitos por pessoas integradas na sociedade Britânica e que já eram "ingleses",portanto o conceito de ilegais aqui não entra

    ResponderEliminar
  7. Você faz cada comentário... Se você próprio reconhece que boa parte dos ditos terroristas são «pessoas integradas na sociedade», explique-me lá quais são esses alvos que a NATO vai atacar. A mesquita de Lisboa?

    ResponderEliminar
  8. O terrorismo tem tentaculos em todo o mundo,não à de ser só em Portugal,portanto o combate deve ser global.Se essas pessoas estão integradas na sociedades e têm nacionalidade pouco ou nada de pode fazer,no entanto os ataques também podem vir de fora,e aí é sempre preciso combater e retaliar lá fora,tão simples quanto isso,basta lembrar bali,onde tantos australianos foram mortos.O afeganistão por exemplo era uma grande base de terroristas,tal como muitos países africanos o são,tão simples quanto isso.

    ResponderEliminar
  9. Pronto, decididamente eu devo falar (escrever) chinês...

    ResponderEliminar