domingo, 19 de março de 2006

O eterno papão

As coisas que se escrevem já não deviam merecer o meu pasmo, mas enough is enough... Não há forma eloquente de dizer isto: já não há pachorra para o eterno papão da “extrema-direita” e do “nazi-fascismo”!

Ontem no «Diário de Notícias», ao ler sobre a recente onda de violência perpetrada pelos meninos-da-mamã burgueses, perante a admiração dos seus papás soixante-huitards, deparo com duas pérolas que de seguida partilho.

No final da notícia, afirma o jornalista preocupado que “bem mais perigoso, para este movimento, será a entrada em cena da extrema-direita, que se envolveu em cenas de pancadaria com os esquerdistas.” Já cá faltava, todos os estragos até agora são “excessos” a perdoar, já que se vislumbra no horizonte o aparecimento do papão. De seguida, uma advertência: “a esquerda não pode esquecer o seu erro estratégico de 2002, quando a segunda volta da presidência foi disputada por Jacques Chirac, da direita tradicional, e Jean-Marie Le Pen, da extrema-direita, que é suposto não existir em França.” Por outras palavras, a vontade popular é perigosa porque nem sempre coincide com o pensamento único.

Por fim, ladeando a notícia, temos a opinião do “especialista”. Sobre as últimas eleições presidenciais francesas, diz M. Villaverde Cabral: “o mais provável é que não tivesse sido eleito, mas como Jospin se deixou ultrapassar por Le Pen então toda a gente se escondeu atrás de Chirac, que pelo menos não seria um ditador.” Não sabia que a République previa a figura do “ditador”, serão influências romanas? Fora de ironias, verificamos que se persiste na mesma lógica da batata(da): extrema-direita/nacionalismo = nazi-fascismo = mal absoluto do universo.

2 comentários:

  1. Na RTP chegaram a dizer que a "extrema-direita" é que andava infiltrada nas manifestações e a provocar a polícia.

    Qualquer dia, chegam à conclusão que tudo isto é uma encenação da extrema-direita para catapultar Le Pen à Presidência.

    Bem vindo de volta, Duarte ;)

    ResponderEliminar
  2. E eu a pensar que os jornalistas deveriam ser imparciais?

    Vem vindo de volta,já agora por onde andou? Não me diga que era você que andava a destruir lá os carros em França?Já não digo nada,eheh :)

    Abraços.

    ResponderEliminar