quarta-feira, 8 de fevereiro de 2006

“Presidenciais terminaram com o monopólio antifascista da República”

Este é o título da interessante entrevista com Maria de Fátima Bonifácio que o semanário «O Diabo» publicou ontem. Para além desse comentário à vitória de Cavaco, que considera um “democrata sem passado antifascista”, afirma que “o movimento cívico em torno da candidatura de Alegre esgotou-se no dia das eleições e não tem futuro”. Quanto aos partidos portugueses, considera que estão “mal arrumados” e sugere: “Há uma direita liberal dentro do PSD que devia fundir-se com o CDS-PP e fazer um grande partido liberal à direita. E, por outro lado, há gente com perfil social-democrata no seio do CDS-PP que devia passar para o PSD.” Sobre o BE considera que “é um partido anti-sistema e de protesto, cujas propostas que parecem modernas e aberta remetem para um modelo de sociedade anacrónico completamente estatizado, hostil ao mercado, à concorrência e à meritocracia e ainda igualitarista e estatista.” Sobre a classe política, diz que vivemos num “sistema de fraude eleitoral” no qual os “políticos sentem-se à vontade para mentir descaradamente na altura da campanha eleitoral”.

Para além desta entrevista, aconselho como sempre as duas páginas do Walter Ventura, desta vez com a participação do Manuel Azinhal, e as implacáveis “Coisas de o Diabo” na última página.

1 comentário: