terça-feira, 14 de fevereiro de 2006

Mundialização, mundialismo

Universalização planetária das trocas, dos circuitos e produções económicas e financeiras, bem como da informação; internacionalização da cultura. O “mundialismo” é a doutrina que prega a generalização deste fenómeno.

Na realidade, o processo de mundialização económica e cultural começou há mais de duzentos anos. Hoje fala-se de globalização da economia planetária. Este fenómeno, contudo, não é tão importante quanto podemos pensar, as economias e as culturas regionais e nacionais continuam muito fortes por toda a parte. A ideologia mundialista engana-se, porque a mundialização em exagero, apenas levará a catástrofes e fragilizará a economia mundial e o ecossistema.

O dogma mundialista, central na ideologia dominante, mesmo na esquerda neo-trotskista anti-liberal, é evidentemente partilhado também pelo islão, cuja ideologia é universal.
Observamos na realidade uma pluralidade de mundialismos, o do islão, o da esquerda cosmopolita e imigrófila, o do Ocidente liberal e pró-americano. O mundialismo é uma arma de guerra contra a Europa, a sua identidade, o seu poder e a sua independência económica. É a expressão da utopia do fim da história. Os chantres do mundialismo divinizam a internet, a “nova economia”, os fluxos migratórios em direcção à Europa, a globalização das redes financeiras, sem ver que as realidades étnicas e religiosas ancestrais serão sempre mais fortes.
De facto, a mundialização não põe em causa a diversidade das culturas e o choque das civilizações, antes pelo contrário. Por um irónico movimento dialéctico, ela provoca-os, regenera-os.

Com efeito, quanto mais os povos se aproximam num planeta sobrepovoado, “colados” uns aos outros, mais a necessidade de identidade se faz sentir por reflexo. É por isso que, no século XXI, é altamente improvável que o futuro da mundialização seja pacífico nem mesmo que esta resista a um previsível “choque das civilizações”.

Guillaume Faye
in “Pourquoi nos combattons”, L’Æncre (2001).

1 comentário:

  1. Porque é que as pessoas não querem, ou não podem perceber?

    ResponderEliminar