segunda-feira, 30 de janeiro de 2006

Homenagem aos portugueses assassinados na África do Sul

Realizou-se no passado sábado uma homenagem aos portugueses assassinados na África do Sul, organizada pelo PNR e pela FN, na qual estive presente. Na Alameda D. Afonso Henriques, em Lisboa, foram colocadas 361 cruzes, representando o número de portugueses mortos desde que o ANC tomou o poder na África do Sul, dispostas de maneira a formar uma cruz gigante, simbolizando o massacre de que têm sido alvo os nossos compatriotas naquele país.

Esta manifestação deveu-se ao facto de as autoridades portuguesas ignorarem, pura e simplesmente, a situação e de as autoridades sul-africanas tratarem com desprezo os repetidos ataques à comunidade portuguesa.



Mais uma vez, o evento decorreu exemplarmente e sem quaisquer incidentes. As mais de duzentas pessoas presentes, escutaram atentamente as palavras proferidas e fizeram um minuto de silêncio em honra dos portugueses assassinados. Muitos transeuntes curiosos recolheram informações e propaganda do PNR na banca montada junto ao local da cerimónia, mostrando que o interesse por uma alternativa nacionalista cresce no nosso país.

Da cobertura mediática, que envolveu televisões, jornais e rádios, houve alguns meios de comunicação que destacaram aquilo que consideraram um ataque ao Presidente da República, no discurso do Presidente do PNR. José Pinto-Coelho disse que Jorge Sampaio não era “o Presidente de todos os portugueses”, mas “o Presidente de todos os imigrantes”. Estou inteiramente de acordo com esta afirmação, acrescentando mesmo que os emigrantes têm vindo a ser gradualmente preteridos em favor dos imigrantes. Aliás, não deixa de ser curioso que os imigracionistas do costume acenem com os nossos emigrantes para justificar a entrada desregrada e maciça de estrangeiros no nosso país, mas que depois “esqueçam” totalmente casos em que os portugueses são atacados noutros países, como na África do Sul. Os nacionalistas, por seu turno, defendem sempre os seus compatriotas, onde quer que estes se encontrem.

1 comentário: