segunda-feira, 29 de agosto de 2005

Hemeroteca (IV)

O jornal “velho” de hoje é o “Diário da Falange Espanhola Tradicionalista e das JONS”, do final da II Guerra Mundial, onde o destaque vai para as primeiras fotografias da bomba atómica.

Título: Alerta
Data: 29 de Agosto de 1945
N.º 2477


Na capa o destaque vai para o discurso do Papa Pio XII perante membros do congresso americano e para as primeiras fotografias da bomba atómica. Ainda no Japão, noticia-se o início da ocupação americana. Numa notícia vinda de Lisboa, dá-se conta de uma vitória diplomática do general De Gaulle em Washington. Podemos ainda ler um artigo sobre a ganederia em Espanha e uma coluna de desporto, com notícias de futebol, basquetebol, natação e tiro ao prato. Na publicidade, destaco uma secção intitulada “Anuncios por palabras”, que custavam, até cinco palavras, 2 pesetas, sendo cada palavra mais 0,25 pesetas.

Racismos (II)

Mais um caso curioso, que vi num artigo sobre o défice de melanina, na última edição da «Grande Reportagem»: “Em certos países, onde a população é maioritariamente africana, o albino é visto como um cidadão de segunda. Até há bem pouco tempo foi assim na Jamaica.

terça-feira, 23 de agosto de 2005

“A democracia parlamentar está esgotada”

Esta é a frase do Prof. Marques Bessa que sobressai na capa da edição de hoje do semanário «O Diabo». Numa entrevista a não perder, o catedrático do ISCSP diz que as candidaturas presidenciais “são reveladoras da crise instalada na III República, de fim e toque a rebate. Soares e Cavaco são candidatos da gerontocracia”. Ainda sobre os “pais da pátria”, é contundente: “Chamar isso a Cavaco e a Soares é um disparate. Os "pais da pátria" são bem conhecidos de todos: D. Afonso Henriques, D. Nuno Álvares Pereira, D. Dinis, D. João I, D. João IV, Conde Castelo Melhor, Marquês de Pombal, etc. Vê algum português que depois do 25 de Abril alargou o país, o território e a economia, e nos tenha enchido de grandes propriedades e melhorado o Estado?

Quanto à elite governante, Marques Bessa é da mesma opinião de Alberto João Jardim, é constituída por “falhados”. Para ele, “está repleta de medíocres, que não tinham para onde ir e que dificilmente teriam emprego noutro sítio sem ser na política. Os portugueses de verdadeiro mérito encontram-se nos livros de História e talvez por isso já quase se boicota o ensino da História de Portugal. Qualquer dia temos, à semelhança do que se passou na URSS, um livro intitulado "A falsificação da História em Portugal".

Sobre a imigração, que considera um dos principais problemas que afligem Portugal, diz que é uma questão “perigosíssima porque não está a ser controlada. O SEF não é capaz de identificar centenas de pessoas, nomeadamente do Leste, que entram no nosso território.” Defensor de uma política de quotas para a entrada de estrangeiros, diz que “a política dos governos na área da imigração tem sido a de absorver os "dejectos", quando isso não contribui para o país progredir.

Em relação à posição de Portugal na cena internacional, afirma que o nosso país “não definiu quem é o amigo e o inimigo” e que “a certeza que se mantém é absurda. Temos de ter inimigos e esse deve ser o império americano.

A questão autárquica

A manchete de hoje do «Diário de Notícias», reflecte bem a realidade que se tornou o poder local: “Autarquias triplicam dívidas em ano de eleições”. A má gestão autárquica em Portugal é um problema nacional, alimentado por inúmeros interesses, que poucos querem ver resolvido ou têm coragem de apresentar soluções.

No mesmo jornal, José Alberto Xerez aponta medidas que, segundo ele, proporcionariam uma “uma maior eficiência e transparência da gestão municipal”. Não acredito em soluções milagrosas, mas penso que é necessário estar aberto a outras políticas e a diferentes formas de encarar realidades que se tornaram estáticas e imobilistas.

Nesta questão, para José Alberto Xerez, é essencial que se contrarie a “estrutura dirigista e centralizada” do Estado com a aplicação do princípio da subsidiaridade. Para ele, “a regra de ouro deverá ser a de que tudo o que puder ser eficazmente resolvido a um nível inferior não necessita de ser decidido a um nível superior”, o que, sinceramente, não sei se no nosso país seria possível. Por outro lado, concordo inteiramente com ele quando diz que “uma gestão autárquica eficiente exige circunscrições municipais com populações reduzidas”. Acho que se deve travar o crescimento urbano desenfreado e deixar de privilegiar as cidades como forma preferencial de ocupação do território. Quanto à fiscalidade autárquica, prevê alterações de modo a que “os munícipes, que suportam localmente com os seus impostos uma parte acrescida das despesas, terão uma maior apetência para analisar como os seus dinheiros foram gastos”. Este é um ponto muito importante, já que possibilitaria a aplicação de uma democracia local directa, ligando as pessoas à sua terra, quando “as grandes prioridades estratégicas da política autárquica fossem referendadas localmente”.

Perseguição política

Apesar do atraso, não posso deixar de referir aqui o revoltante caso de perseguição política feita pelo ACIME ao PNR e manifestar a minha solidariedade e o meu total apoio ao camarada Carlos Branco, delegado distrital do PNR no Porto.

Os agentes da ditadura do politicamente correcto querem, à viva força, instituir que a defesa dos interesses de Portugal e dos portugueses é “racismo” ou “xenofobia”. Neste caso concreto, na sequência de uma campanha “pelo comércio tradicional, contra a invasão do comércio chinês e a proliferação de grandes superfícies”, levada a cabo pelo Núcleo do Porto do PNR, foi apresentada pelo ACIME na Polícia Judiciária uma queixa por “racismo” (!!!), sendo o delegado distrital consituído arguido e sujeito a termo de identidade e residência.

Tanto o Núcleo do Porto como a Comissão Política Nacional do PNR já emitiram comunicados a denunciar este caso escandaloso. O combate nacional é cada vez mais difícil, mas nem por isso os nacionalistas o abandonarão!

Antes fosse...

A minha ausência prolongada da blogosfera, fez com que o meu amigo Rebatet pensasse que eu tinha ido de férias. Infelizmente, para esse período ainda me faltam uns “mesitos”. Acontece que, com o computador de casa no “estaleiro”, com os meus colegas de férias e uma semana de Agosto longe de ser “parada”, e um fim-de-semana fora para aliviar pelo meio, tem sido impossível actualizar o blog. Agora que tenho uma aberta, toca de pôr a leitura e a escrita em dia.

quarta-feira, 10 de agosto de 2005

Civilização

«Uma civilização, por mais superior que seja, não passa de um colosso com pés de barro, se o nervo viril perde o vigor.»

Ernst Jünger
in “A Guerra como Experiência Interior”

segunda-feira, 8 de agosto de 2005

Sobre História

Da revista «Futuro Presente» referida no post anterior, reproduzo aqui a “Nota sobre História”, da autoria de Roberto de Moraes, publicada no final do artigo “Na esteira da Grande Guerra”, por concordar inteiramente com a sua posição sobre esta disciplina, que também é a minha.

Nota sobre História:
É justamente quando escrevo sobre História, a minha disciplina, que mais procuro proteger-me do pecado de “sabedoria retrospectiva”. A escrita da História está muito exposta à contaminação do presente, ao conhecimento do que se passou entre o então e o agora. Entender e sentir o estilo e o ser das camadas humanas de épocas passadas, constitui viático que muito pode ajudar. Quem politiza ou diaboliza a História, pode eventualmente aviar interesses ou cuidar de desideratos de outras ordens, mas não serve, com certeza, nem o homem honrado, nem a própria História.


Roberto de Moraes

“Inquérito sobre a Europa”

Só hoje li o último número da revista «Futuro Presente», o 57, referente aos meses de Maio e Junho, dominado pelo “Inquérito sobre a Europa”. Sob o tema central da questão europeia, podemos ler “Reflexões sobre a História recente”, de Jaime Nogueira Pinto, seguida de uma entrevista feita por este último e por Miguel Freitas da Costa ao Professor Martim de Albuquerque, e ainda, a visão económica de José Alberto Xerez em “Constituição europeia ou o fim da Europa?” e um olhar histórico de Roberto de Moraes sobre a Primeira Guerra Mundial intitulado “Na esteira da Grande Guerra”. Para além da concordância, ou não, com as posições tomadas, este é, sem dúvida, um conjunto de textos a não perder, pela sua qualidade e rigor, bem como pela actualidade e importância do tema.

domingo, 7 de agosto de 2005

Racismos

Na última edição do «Courrier Internacional», li na secção “Palavras ditas” uma citação curiosa de Blackman Ngoro, conselheiro em comunicação do presidente da câmara do Cabo, cidade onde fica o parlamento da África do Sul: “Os africanos são culturalmente superiores aos mestiços. Estes últimos, a menos que passem por uma transformação ideológica, morrem das sequelas do abuso do álcool”. Só falta mesmo os “especialistas” do costume virem dizer que afirmações destas ainda são culpa do apartheid

Remodelação

Esta casa andava há muito tempo necessitada de algumas novidades no campo estético. Comecei pelo banner - foi prenda de aniversário do meu cunhado (Obrigado!) - e com uma citação de um dos autores que mais me marcaram. Ainda estou a considerar outras alterações, a introduzir gradualmente. A ver vamos…

sábado, 6 de agosto de 2005

Realidade nuclear


Sessenta anos volvidos, servem estas linhas para lembrar o holocausto nuclear com que terminou a II Guerra Mundial: o massacre de Hiroshima, a que se seguiria, três dias depois, o de Nagasaki. O genocídio perpetrado pelos “bons” arrastar-se-ia durante anos, revelando ao mundo o horror da guerra atómica.

O fim da guerra fria fez desaparecer o temor generalizado de um conflito mundial com recurso ao armamento nuclear. No entanto, essa possibilidade mantém-se e em contornos muito mais tortuosos. Analisando os países detentores de armas nucleares, verificamos que à cabeça estão os EUA, ou seja, os únicos que já “usaram o anel” e os que mais facilmente poderiam ter uma recaída. A seguir está a Rússia, onde se mantêm muitos dos problemas inerentes ao fim da URSS e ao crescimento caótico e galopante de uma economia capitalista. Depois, um dos maiores perigos do futuro: a China, um monstro em desenvolvimento. Na Europa, temos o Reino Unido, sempre toldado pelo seu atlantismo excessivo, e a França, a verdadeira potência nuclear europeia. No clube de alto risco está, em posição destacada, Israel, que tenta a todo o custo esconder a real dimensão do seu arsenal, seguida dos inimigos figadais Índia e Paquistão, com a sua guerra fria em miniatura localizada, terminando com a Coreia do Norte, com a sua estratégia de chantagem.

Concluindo, por muito que alguns queiram, o mundo não está a safer place no que respeita à eventualidade da utilização de armas nucleares.

sexta-feira, 5 de agosto de 2005

A religião dos direitos do homem

Ao ter conhecimento das declarações de hoje do primeiro-ministro britânico que, sob a tónica do “abusaram da nossa confiança”, referindo-se aos bombistas, disse que “as regras do jogo mudaram” e que “não serão tolerados mais abusos no país”, garantindo que o Reino Unido só receberá “quem estiver disposto a partilhar os valores”, lembrei-me da definição de Guillaume Faye de “direitos do homem” cuja entrada, com o mesmo título na sua obra excepcional “Pourquoi nos combattons”, reproduzo abaixo. Um texto de leitura essencial, ainda para mais porque Tony Blair anunciou uma alteração das políticas de extradição e o repensar da filiação do país à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, tudo para “agilizar a expulsão de quem defende o terror”.

Direitos do Homem
Aparelho central da ideologia moderna do progresso e do igualitarismo individualista, e meio de instaurar uma polícia do pensamento como uma destruição do direito dos povos.

Síntese da filosofia política (muitas vezes mal compreendida) do século XVIII, o direito-do-homismo é o horizonte incontornável da ideologia dominante. Com o anti-racismo, funciona como um dos dispositivos centrais do condicionamento mental colectivo, do pronto-a-pensar e da paralisia de toda a revolta. Profundamente hipócrita, a ideologia dos direitos do homem acomoda-se de todas as misérias sociais e justifica todas as opressões. Ela funciona como uma verdadeira religião laica. O “homem” não é aqui mais do que um ser abstracto, um consumidor-cliente, um átomo. É impressionante constatar que a ideologia dos direitos do homem foi formulada pelos conventionnels da revolução francesa imitando os puritanos americanos.
A ideologia dos direitos do homem conseguiu legitimar-se fundamentando-se em duas imposturas históricas: a da caridade e da filantropia, assim como a da liberdade.
O “homem” (noção já bastante vaga) não possui direitos universais e fixos, mas apenas aqueles que decorrem de cada civilização, de cada tradição. Aos direitos do homem é necessário opor duas noções centrais: a dos direitos dos povos (ou o “direito das gentes”) à identidade, e a de justiça, sendo esta última variável consoante as culturas e supondo que todos os indivíduos não são igualmente respeitáveis. Mas estes dois conceitos não poderão assentar no pressuposto de um homem universal abstracto, mas antes sobre o dos homens concretos, localizados numa cultura.
Criticar a religião laica dos direitos do homem não é evidentemente fazer a apologia da selvajaria, pois a ideologia dos direitos do homem caucionou muitas vezes a barbárie e a opressão (o massacre dos vendéens ou dos índios americanos). A ideologia dos direitos do homem foi demasiadas vezes o pretexto de perseguições. Em nome do “Bem”. Ela não representa de maneira nenhuma a protecção do indivíduo, tal como o comunismo não representava. Pelo contrário, ela impõe-se como um novo sistema opressivo, fundado sobre as liberdades formais. Em seu nome, vai legitimar-se, desprezando toda a democracia, a colonização populacional da Europa (qualquer um, não importa quem, tem o “direito” de se instalar na Europa), a tolerância em relação às delinquências liberticidas, as guerras de agressão feitas em nome do “direito de ingerência”, a inexpulsabilidade dos clandestinos colonizadores; mas esta ideologia não se pronuncia sobre a poluição maciça do ambiente ou sobre a selvajaria social provocada pela economia globalizada.
A ideologia dos direitos do homem é hoje sobretudo um meio estratégico de desarmar os povos europeus culpabilizando-os em todos os domínios. Ela é a legitimação do desarmamento e da paralisia. Os direitos do homem são uma espécie de assunção perversa da caridade cristã e do dogma igualitário segundo o qual todos os homens seriam iguais.
A ideologia dos direitos do homem é a actual arma central de destruição da identidade dos povos e da colonização alógena da Europa.

Guillaume Faye

in “Pourquoi nos combattons”, 2001.

As chamas do lucro

O país está de novo a arder mas, apesar das condições climatéricas e o desordenamento florestal serem propícios aos incêndios, sabemos que por trás da maioria dos fogos está uma mão criminosa. O que a move? Será que a motivação de tanta destruição é o lucro? Será que vamos ter, em breve, Portugal de novo em cinzas apenas devido à eterna ganância gerada pelo vil metal?

José Gomes Ferreira, subdirector de informação da SIC, escreveu um artigo intitulado “A indústria dos incêndios” onde garante que “há muita gente a beneficiar, directa ou indirectamente, da terra queimada”. Um artigo corajoso, que põe o dedo numa ferida sobre a qual poucos querem falar, onde são apresentadas várias questões incómodas sobre a realidade dos incêndios, ao que se segue uma série de propostas do que o Estado podia – e devia – fazer, com as quais estou totalmente de acordo.

quinta-feira, 4 de agosto de 2005

Casos da Língua

Nos comentários ao meu post intitulado Fact checker, o Dragão solicitou-me que confirmasse o termo utilizado para definir a HK MP5. Eu chamei-lhe “pistola-metralhadora” e ele “submetralhadora”; estamos ambos correctos, já que estas definições referem-se ao mesmo tipo de armas. Há ainda outro termo para as designar que é “metralhadora-de-mão”, mas que caiu em desuso.

Aquela que é considerada a primeira pistola-metralhadora da História foi a italiana Villar Perosa, introduzida em 1915, mas que não originou nenhum termo específico para designar esse novo tipo de armas. A primeira designação, que subsistiu até hoje, deve-se à alemã MP-18, criada por Hugo Schmeisser, que viria a notabilizar-se com a famosa MP-40. As iniciais MP são da palavra alemã Maschinenpistole, que entrou na língua portuguesa através da sua tradução directa “pistola-metralhadora”. No entanto, em 1921, do outro lado do Atlântico, o americano John Thompson apresentou uma arma a que chamou “Thompson Submachine Gun”, que seria um sucesso e viria a ser conhecida por “Tommy gun”. O termo submachine gun passou, daí em diante, a designar “pistola-metralhadora” no continente americano, passando para a língua portuguesa, por via brasileira, através da sua tradução directa “submetralhadora”. Ainda hoje, é mais comum no Brasil dizer-se “submetralhadora” e em Portugal “pistola-metralhadora”. O significado de ambos os termos é idêntico, apenas a sua origem etimológica é diferente.

terça-feira, 2 de agosto de 2005

560

Recebi uma mensagem de correio electrónico sobre o Movimento 560, uma iniciativa louvável de quem considera fundamental apoiar a produção nacional e apela a que se comprem produtos portugueses. O nome do movimento é inspirado nos três primeiros algarismos do número existente no código de barras dos produtos portugueses. A apoiar e divulgar, porque o proteccionismo começa em casa.

Blogs n'O Diabo (IX)

Há duas páginas que considero obrigatórias no semanário «O Diabo» e, por isso, aconselho-as todas as terças-feiras. Assim, não podia deixar de mencionar aqui “O Diabo a Sete” do Walter Ventura, hoje com o artigo “Apelo ao voto”, seguido da coluna “Os meus blogues”, desta vez com o Manuel Azinhal, que está de parabéns pelos dois anos de Sexo dos Anjos, e as habituais “Pegadas de Pégaso”.

Passadismos

Carlos Blanco de Morais analisa hoje no «DN» a possível candidatura presidencial de Mário Soares, começando por citar os argumentos do próprio há dois meses atrás na televisão, naquela que considera “uma candidatura fora de prazo”. Depois, desmontando as quatro razões apontadas para a candidatura do ex-presidente, conclui que “Soares presidente seria, assim, o mais temível adversário do Governo”.

Na minha opinião, a concretizar-se a candidatura, este será, sem dúvida, o sapo mais velho e mais gordo que o actual primeiro-ministro irá engolir. A recente novela presidencial demonstra bem o apodrecimento da III República, estrangulada por uma “esquerda” supostamente maioritária e declaradamente passadista, sem soluções para o futuro. Vemos hoje que os “revolucionários de abril”, são, na realidade, conservadores paralíticos, agarrados ao sonho que nunca conseguiram concretizar. Como diz o povo – aquele por quem todos lutam e de quem todos se esquecem – “o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita”.

segunda-feira, 1 de agosto de 2005

Hemeroteca (III)

Hoje trago-vos uma revista de informação dos anos 80 ligada à Torralta, com edições em português, francês e inglês, que apostava no mesmo formato das revistas internacionais de então.

Título: Espaço T Magazine
Data: Agosto de 1981
N.º 14
Director: José Miguel Júdice


A capa é ilustrada com o famoso entertainer narigudo da altura, Júlio Isidro, figura de proa do programa de televisão de sucesso “Passeio dos Alegres”. De seguida, podemos ler um artigo sobre o Príncipe Carlos e a sua recente esposa Lady Diana, com uma previsão astrológica do seu futuro juntos. Entre outras, há uma reportagem sobre “o comboio dos imigrantes”, de um jornalista que fez a viagem Paris-Lisboa acompanhado dos portugueses que lá trabalhavam, e outra sobre Israel, da autoria de António Mega Ferreira. De destacar, também, o texto sobre a Batalha de Ourique, de José Valle de Figueiredo, e o artigo “Virgindade: Tabu em decadência”, sobre a mudança de mentalidades e atitudes na sociedade portuguesa. Como cronistas temos Adriano Moreira, Sottomayor Cardia, Rogério Martins e António Alçada Baptista. Na publicidade abundam os anúncios ao complexo turístico de Tróia e aos casinos de Vilamoura e Alvor.

Aaltramente

Rir da desgraça dos outros? E se os “desgraçados” também o fizerem? E se, ainda por cima, se aproveitarem da sua condição para abusar da boa vontade alheia? É o que acontece em “Aaltra”, um road movie de cadeira de rodas, filmado a preto e branco e com muito grão, tão áspero como a realidade que retrata. Um festival de humor negro, do mais politicamente incorrecto do que há. Já aqui havia falado dele e ontem fui finalmente vê-lo ao cinema King, o único onde está a ser projectado. Dei umas valentes gargalhadas, por situações daquelas sobre as quais não é suposto rir. São as que sabem melhor! Um excelente filme, especialmente para quem não tem já paciência para as tão abundantes comédias - ditas familiares - americanas.



Escrito, realizado e interpretado por Benoît Delépine e Gustave Kerven, esta comédia negra é uma história de dois vizinhos que nutrem um ódio mútuo, comme il faut, sobre os azares da vida e a falta de escrúpulos, e sobre a natureza humana, tendo como pano de fundo uma viagem pelo mundo rural da Europa do Norte. Um filme onde os protagonistas principais são dois paralíticos que não inspiram pena de espécie alguma, antes pelo contrário...